Como está sua reputação institucional?

palestra

Como está a reputação institucional da Vale? Como está a imagem corporativa da Coca-Cola? Quais os fatores que influenciam na construção e desconstrução de uma boa reputação? O que os formadores de opinião (e quem são eles) falam e publicam sobre sua instituição?

É grande a vulnerabilidade da imagem corporativa e com um agravante: a maioria dos indicadores que influenciam na reputação das empresas foge do controle institucional. Este foi o cenário apresentando no evento “Inteligência Artificial: Gestão de Stakeholders (formadores de opinião) na Era Digital e Proteção da Reputação Corporativa”, do qual participei recentemente na Casa Firjan, a convite do Conselho Regional de Relações Públicas.

Após a palestra, o grupo de Relações Públicas aproveitou o encontro para um bate-papo com o Presidente do Conselho Regional de Relações Públicas e seus conselheiros presentes no evento.

Após a palestra, o grupo de Relações Públicas aproveitou o encontro para um bate-papo com Marcelo Oliveira, Presidente do Conselho Regional de Relações Públicas, e seus conselheiros presentes no evento.

O cenário apresentado é conhecido da grande maioria dos profissionais de comunicação corporativa, em especial dos Relações Públicas, que lidam com essas questões desde os primeiros passos na vida acadêmica. Apesar disso, a palestra do australiano Terence Lyons, CEO da startup The Stakeholder Company (TSC), sediada em Cingapura, trouxe uma importante reflexão frente ao cenário atual em que estamos inseridos.

É crescente a vulnerabilidade das empresas às ameaças externas, uma vez que a crescente interconexão digital eleva exponencialmente os benefícios e os malefícios dos indicadores da imagem corporativa.

Ao final da palestra, os profissionais de Relações Públicas presentes no evento conversaram com o palestrante sobre a importância das ferramentas digitais para o mapeamento mais assertivo da imagem corporativa.

“A inteligência artificial consegue distinguir entre notícias reais e fakenews?” foi uma das perguntas feitas pelo público, prontamente respondida por Terence que explicou que mesmo sendo falsa, se uma notícia toma grandes proporções, ela tem poder de influenciar na reputação institucional.

Foto: Paula Johas (Firjan)

Foto: Paula Johas (Firjan)

Segundo Terence, mesmo com o avanço das tecnologias de inteligência artificial para mapear o que se fala das empresas, o objetivo do sistema desenvolvido pela TSC é que os clientes tenham uma compreensão clara das redes interligadas em torno de seus negócios e possam, por meio da análise desses dados, feita por profissionais competentes, tomarem as melhores decisões para seus negócios.

Chamou a atenção o interessante estudo sobre reputação e imagem institucional usado no sistema de inteligência artificial que captura as informações que circulam na internet e gera um mapa da reputação corporativa. O gráfico apresentado propôs que todos refletissem sobre a reputação de sua instituição e também o quanto ela está vulnerável aos fatores externos.

Já parou pra pensar no que pode influenciar a reputação de sua empresa? 

Que tal observar e refletir sobre os 10 indicadores apontados por Terence Lyons?

INOVAÇÃO E QUALIDADE

1. Inovação
2. Preço justo – relação custo x benefício
3. Qualidade e segurança dos produtos/serviços

Relações Públicas conversaram pessoalmente com o palestrante australiano.

Relações Públicas conversaram pessoalmente com o palestrante australiano.

PERFORMANCE OPERACIONAL/FINANCEIRA

4. Excelência operacional
5. Forte performance financeira

ÉTICA

6. Confiabilidade do líder
7. Valores e transparência comercial

COMPARTILHAMENTO DE BENEFÍCIOS COM A SOCIEDADE

8. Práticas sustentáveis
9. Contribuições sociais
10. Tratamento justo aos empregados

 

10reput

 

 

Share This Post On

Enviar um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>